Você está lendo...
GWM e SP fecham acordo para promover carros a hidrogênio
Mercado

GWM e SP fecham acordo para promover carros a hidrogênio

Acordo firmado entre o governo paulista e a GWM abre caminho para o desenvolvimento de veículos a célula a hidrogênio verde,gerado por etanol

Rodrigo Tavares, Especial para o Jornal do Carro

29 de abr, 2023 · 4 minutos de leitura.

Publicidade

GWM e Governo de São Paulo firmam acordo de cooperação
Crédito:GWM/Divulgação

A GWM está prestes a iniciar as operações no Brasil. Nesse sentido, a empresa, que comprou a fábrica da Mercedes-Benz em Iracemápolis (SP), vem promovendo vários eventos. Agora, o governador do Estado, Tarcísio de Freitas (Republicanos) anunciou um acordo com o grupo chinês. Conforme Freitas, o objetivo é acelerar a adoção de veículos a célula a hidrogênio no Estado.

Para isso, o governador diz que vão ser feitos estudos sobre maneiras de implantar a logística para reabastecimento. Assim como para identificar parceiros que possam gerar e distribuir hidrogênio. Além disso, o acordo prevê que o produto seja gerado por meio de fontes renováveis, como etanol, por exemplo.



Segundo a marca, o projeto terá duração de um ano. Para isso, vai contar com o apoio da InvestSP. Ou seja, a agência de promoção de investimentos do governo do Estado. Assim, terá como função mapear e coordenar a comunicação entre os interessados em fazer parte do projeto.

Publicidade


GWM promete investir R$ 10 bilhões em fábrica

Freitas conversa com Ricardo Bastos, da GWM, durante visita à planta de Iracemápolis; Fotos: GWM

Conforme o governador, São Paulo quer liderar o processo de transição energética. Além disso, ele destaca o potencial do Estado na produção de etanol. "Vai ser uma revolução no transporte brasileiro. A tecnologia está aí e, com uma dose de incentivo, vamos ter usinas de etanol produzindo hidrogênio verde", afirma o governador.

De acordo com o CEO da GWM, James Yang, a filial da empresa no Brasil pode "contribuir para o atingimento dessa meta antes do prazo". Conforme o executivo, o País ocupa posição de destaque e é protagonista na geração de energia elétrica renovável, bem como tem forte vocação para a produção de biocombustíveis e hidrogênio verde.


Sistema de célula a combustível da GWM pode utilizar etanol para gera eletricidade

Segundo informações da GWM, estão sendo investidos R$ 10 bilhões na implantação de uma linha de montagem para SUVs e picapes na fábrica paulista. Como resultado, a empresa promete iniciar a produção em 2024 de veículos com sistemas híbridos flex. Ou seja, cujo motor a combustão possa usar gasolina e/ou etanol. Aliás, a marca já vende no País SUVs como o Haval H6, que o JC já avaliou.

O Jornal do Carro também está no Instagram, confira!


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Haval H6 GT: SUV híbrido da GWM roda 1.000 km com um tanque
Deixe sua opinião