José Antonio Leme

23/09/2020 - 4 minutos de leitura.

VW pagará indenização a ex-funcionários perseguidos na ditadura no Brasil

Acordo de cerca de R$ 36 milhões foi fechado para indenizar ex-funcionários perseguidos na ditadura militar e doações

ditadura
ACORDO FOI FECHADO COM O MPF, MPE E PROCURADORIA DO TRABALHO Crédito: PIXABAY
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A Volkswagen fechou um acordo para indenizar ex-funcionários da filial brasileira que foram perseguidos durante a ditadura militar. O valor total é de pouco mais de R$ 36 milhões. Ele será distribuído para mais de 60 funcionários do período da ditadura militar, entre 1964 e 1985 e diversas instituições.

Uma comissão criada no governo FHC para investigar abusos durante a época da ditadura encontrou evidências que várias companhias, incluindo a Volkswagen, secretamente ajudaram militares a identificar pessoas consideradas “subversivas” e ativistas sindicais em suas folhas de pagamento. Vários funcionários foram demitidos, detidos ou ameaçados pela polícia e não conseguiram encontrar empregos por anos após os ocorridos, segundo uma investigação criada pela Reuters mostrou em 2014.



Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Hiltrud Werner, membro do Conselho de Administração da Volkswagen AG por Integridade e Assuntos Jurídicos, disse: “Lamentamos as violações que ocorreram no passado. Estamos cientes de que é responsabilidade conjunta de todos os atores econômicos e da sociedade respeitar os direitos humanos e promover sua observância. Para a Volkswagen AG, é importante lidar com responsabilidade com esse capítulo negativo da história do Brasil e promover a transparência”.

Divisão do dinheiro

O acordo teve a participação dos Ministérios Públicos Federal e Estadual e a Procuradoria do Trabalho (SBC). Os R$ 36,3 milhões serão divididos. R$ 16 milhões serão direcionados à Associação dos Trabalhadores da Volkswagen – Associação Henrich Plagge. Esse valor será destinado a ex-funcionários, dependentes ou herdeiros.

Outros R$ 9 milhões vão para o Fundos Federal e Estadual de Defesa e Reparação de Direitos Difusos (FDD). R$ 10,5 milhões serão destinados projetos de promoção da memória e da verdade em relação às violações de direitos humanos ocorridas no Brasil durante a ditadura militar.



Desses R$ 10 mi, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) irá receber R$ 4,5 milhões. Disso, R$ 2,5 milhões vão ao centro de antropologia e arqueologia forense; será usado para ajudar a identificar vítimas enterradas em valas comuns. Os outros R$ 2 milhões ao desenvolvimento de novas pesquisas para apurar a cumplicidade de empresas durante a ditadura.

O Memorial da Luta pela Justiça (OAB-SP) e o Centro de Preservação da Memória Política (NPMP) vão receber outros R$ 6 milhões. Este memorial está sendo criado onde era a sede da Auditoria Militar de São Paulo.

Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais