Primeira Classe

'Mulher dirige melhor que homem': contra números, há argumentos?

Montadora usa velha provocação para incentivar prudência ao volante como arma para reduzir acidentes

Rafaela Borges

12 de mar, 2017 · 5 minutos de leitura.

'Mulher dirige melhor que homem': contra números, há argumentos?
Crédito: Montadora usa velha provocação para incentivar prudência ao volante como arma para reduzir acidentes

(Foto: Renault)

 

Não é de hoje que se divulgam pesquisas com a mesma conclusão: mulher dirige melhor que homem. Agora, foi a Renault do Brasil que aderiu a essa ideia, por meio de uma campanha em que incentiva o uso da hashtag #EUDIRIJOQUENEMMULHER.

Publicidade


(No Instagram: @primeiraclasse_estadao)

Em vídeo, a montadora (que lança a campanha por meio do Instituto Renault) explica o posicionamento. De acordo com pesquisa, 70% das infrações de trânsito são causadas por homens.

Além disso, 65% dos homens avançam no sinal amarelo. No universo das mulheres, apenas 15% fazem isso. Para finalizar, 71% dos acidentes de trânsito são causados por eles.


Diante disso, a campanha lançada pela montadora conclui: "Os números comprovam: as mulheres dirigem melhor que os homens". Contra números não há argumentos, há? Claro que há. Sempre há.

E esta é a beleza da campanha da Renault. #EUDIRIJOQUENEMMULHER é um incentivo para a prudência no trânsito. Porque, na realidade, os números mostram não que as mulheres têm mais habilidade ao volante, ou mais reflexos na direção, e sim que são mais cautelosas, menos agressivas.

E essa atitude, esse comportamento, se reflete em números. Então, a marca incentiva todos: vamos sim dirigir que nem mulher. Porque essa é a atitude correta a se tomar ao volante. Não há nenhuma vergonha em ser prudente. Ser prudente salva vidas.


Essa campanha, que é bem divertida, me comoveu bastante. E não pela eterna "guerra de sexos". É que a atitude dos motoristas na cidade de São Paulo, na qual vivo, vem me irritando cada dia mais.

Imaginei que o aumento dos limites de velocidade nas Marginais fosse reduzir o comportamento agressivo, mas me enganei. Os "sem noção" do trânsito continuam iguais. Ou até piores.

E quem são eles? Aqueles que ficam grudados na traseira do carro da frente, fazem ultrapassagem cortando os outros veículos e tirando finas, freando sempre no último minuto, andam (muito) acima do limite de velocidade. São aqueles que pensam que o trânsito é uma pista de competição.


Eu me pergunto se esse tipo de motorista sabe que está cometendo infração de trânsito. Porque esse comportamento consiste em direção perigosa, e é contra a lei. Eles têm a obrigação de saber. Caso contrário, não poderiam estar habilitados a dirigir.

Mas isso é "dirigir" como homem, não é? Não! Colocar em risco a vida das pessoas, e a própria, é dirigir como covarde.

Que fique claro: eu nem olho se os "sem noção" do trânsito são homens ou mulheres. Não é sobre gênero, no fim das contas. É sobre respeito às leis e ao espaço público. Todos querem chegar, muitas vezes estão atrasados, se irritam com o tráfego intenso e os congestionamentos.


A diferença é que a maioria sabe que todos são iguais perante a lei. Essa pequena parcela "sem noção" acha que é privilegiada, que tem mais direitos.

Não seria mais sensato considerar que, sem a imprudência, poderíamos ter até menos congestionamentos, pois os acidentes, que pioram o trânsito, seriam reduzidos?

No fim das contas, não importa se o limite de velocidade é maior ou menor: sempre haverá um imprudente para ameaçar vidas.


 

Newsletter Jornal do Carro - Estadão

Receba atualizações, reviews e notícias do diretamente no seu e-mail.

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de privacidade de dados do Estadão e que os dados sejam utilizados para ações de marketing de anunciantes e o Jornal do Carro, conforme os termos de privacidade e proteção de dados.