Primeira Classe Rafaela Borges

O que é um SUV de verdade?

Modelos como Kwid e WR-V mostram que há banalização no conceito de SUV. Agora, utilitários não são robustos; são apenas altos

SUV Crédito: Kwid parece um hatch, mas Inmetro diz que ele pode ser SUV (Foto: Diego Ortiz/Estadão)

O que é um SUV? Traduzindo ao pé da letra, é a sigla, em inglês, para veículo utilitário esportivo. Mas dá mesmo para aplicar o conceito de utilitário em modelos como HR-V, Creta e cia?

Nós achamos que não dá. Alguns anos atrás, quando se pensava em um veículo utilitário, qual imagem surgia em sua cabeça? Provavelmente a de um carro grande, alto, percorrendo trilhas e transpondo os mais absurdos obstáculos off-road.

Um Land Rover. Isso sim era um utilitário. Ou um utilitário-esportivo.

Há alguns anos, utilitário-esportivo precisava ter tração 4×4. De preferência, com reduzida. O Creta e o HR-V não têm esses sistemas. Nem o Kicks, nem o Tracker, nem o 2008.

Aliás, esses carros não têm nem mesmo suspensão traseira independente. Esse item não é primordial para para um carro ser utilitário, mas é importante. Esse item tem a ver com conforto, mas também com robustez.

E esse é o ponto crucial desta análise. Para ser utilitário, precisa ser robusto. E para ser SUV?

Mas SUV e utilitário não são a mesma coisa? Teoricamente, sim. Na prática, é como se os dois conceitos tivessem se afastando. É que, nos últimos anos, houve uma grande banalização do conceito de SUV.

 

wr-v suv
WR-V é versão SUV do Fit (Foto: Felipe Rau/Estadão)

 

 

O início. O EcoSport, o utilitário compacto pioneiro, sempre fez valer sua denominação de SUV. Ao menos, ele tinha uma versão 4×4. Sua robustez é contestável, mas ele tinha meios para tentar ser robusto.

Então, veio o Duster. Também com versão 4×4. Em seguida, após algumas tentativas chinesas (como o Chery Tiggo), foi a vez da dupla Renegade/HR-V.

O primeiro, da Jeep, é, entre os compactos, o utilitário de verdade. Tem tração 4×4, tem suspensões independentes. Tem até versão a diesel.

O HR-V? Não. O Honda pode ser tudo, menos robusto. Pode-se dizer que foi ele que deu origem ao conceito de utilitários urbanos.

Para que tração 4×4 e qualquer atributo que auxilie na capacidade off-road? As pesquisas indicavam que o cliente de utilitários, na verdade, usam esses carros na cidade.

E a Honda tinha razão. Tanto que o HR-V logo se tornou o modelo mais vendido do segmento. Depois dele, vieram 2008, Creta, Kicks, Captur e uma versão renovada do Tracker.

Mas, agora, a banalização do conceito de utilitário chegou ao ápice. Primeiro, com o WR-V, que é algo como um CrossFox da Honda – só que baseado no Fit, não no Fox.

 

GALERIA: OS SUVS MAIS VENDIDOS EM MAIO DE 2017

 

 

E, agora, o Kwid está a caminho. O Kwid, que é rival do Up! e do Mobi. O Kwid, que, excluindo alguns chineses com pouca relevância no mercado, será o carro mais barato do Brasil (a partir de R$ 29.990).

E sabe como a Renault vai posicionar o Kwid? Como um SUV. Sim, é isso mesmo que você leu.

Mas ele não é um hatch? Aparentemente, ele é sim. Porém, a Honda tem o direito de posicioná-lo como um SUV, porque, na verdade, ele é. E o WR-V também.

 

Classificação. Como isso é possível? É possível porque o Inmetro os classifica assim. De acordo com o instituto, para ser veículo utilitário esportivo, um carro tem de cumprir dois atributos, num universo de três.

Os atributos são ter altura ante o solo mínima de 18 centímetros, ângulo de entrada não inferior a 24° e de saída de 19° ou mais.

Kwid e WR-V cumprem esses requisitos. Portanto, e é o Inmetro que está dizendo, eles são SUVs de verdade.

Nós não estamos aqui para contestar a classificação do Inmetro. Não somos nós que classificamos os carros.

O que está em debate é uma banalização de conceito. Com as regras do Inmetro, não é preciso mais ser robusto para ser utilitário. É preciso apenas ser alto.

E, sendo assim, todos agora querem – e a maioria pode – ser um SUV. Isso porque o segmento é o que mais cresce no mercado brasileiro, tanto em vendas quanto em número de lançamentos.

O consumidor está ávido por utilitários. O Kwid, assim, chega com uma campanha de marketing que é uma fórmula garantida de sucesso: ele é o SUV barato.

Para finalizar, desde 2015, a Anfavea, associação das montadoras, deixou de classificar os SUVs como comerciais leves. Agora, eles são carros de passeio.

 


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos