Hairton Ponciano

03.05.2020 | 7:00

Carros crescem ao longo do tempo

A cada geração, os carros vêm crescendo mais e mais para se adequarem aos seres humanos, que também vêm ‘expandindo suas dimensões’

honda civic
O Honda Civic veio ao mundo em 1972, no Japão, com apenas 3,55 m de comprimento e 2,2 m de distância entre os eixos Crédito: Honda/Divulgação
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

Em 48 anos de existência, o Honda Civic cresceu mais de um metro no comprimento e 10 cm em altura. Os carros crescem ao longo dos anos. O Civic atual tem 4,64 m, bem mais os 3,55 m da época do lançamento, em 1972. Não é um caso isolado. A evolução acompanha o desenvolvimento econômico mundial e o aumento da estatura do ser humano.

Há estudos que mostram que, ao longo dos últimos 100 anos, o corpo humano cresceu. De 1914 para cá, na média o brasileiro ficou 8,6 cm mais alto. Nos EUA, o incremento foi de 6 cm, no caso dos homens.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

A explicação está diretamente relacionada à melhora da economia mundial, que possibilitou evolução nos padrões de saúde, graças a investimentos em saneamento e nutrição.

Os automóveis acompanharam as novas demandas de compradores, que ao longo dos anos precisavam de carros maiores, seja por questões de anatomia, seja por maior disponibilidade financeira. Como as dimensões externas estão diretamente relacionadas a espaço interno, os carros foram se expandindo a cada nova geração.

Carros crescem: entre-eixos do Civic esticou meio metro

Quando surgiu no Japão, o Honda Civic era um hatch destinado ao uso urbano, que oferecia praticidade de estacionamento, mesmo que isso sacrificasse o conforto dos ocupantes. O sedã media 2,2 metros entre eixos. Esse número dá uma ideia do espaço interno. Isso porque à frente do eixo dianteiro fica o motor, enquanto atrás do eixo posterior está o porta-malas. No modelo atual os ocupantes podem conviver em um espaço que cresceu meio metro, já que o entre-eixos foi esticado para 2,7 metros.

carros crescem honda civic
Honda/Divulgação

O Toyota Corolla, eterno rival do Civic, também deu uma bela esticada ao longo dos anos. E só não cresceu mais de um metro, como o modelo da Honda, porque não nasceu como um hatch urbano. O Corolla veio ao mundo em 1966 já como sedã, e trazia algumas sofisticações para a época. O projetista do modelo, o japonês Tatsuo Hasegawa, havia trabalhado no desenvolvimento de aviões durante a Segunda Guerra Mundial, e levou para a indústria automobilística conceitos aerodinâmicos da aviação.

É como trocar a classe econômica pela executiva

O Corolla veio ao mundo medindo 3,84 metros. O sedã atual, que está na 12.ª geração, mede 4,63 m, incremento de 79 cm. Os ganhos na cabine são evidentes, já que a distância entre os eixos cresceu 42 cm (foi de 2,28 m para 2,70 m). É como sair da classe econômica do avião e ir diretamente para a executiva. A altura do carro também subiu, nesse caso de 1,38 m para 1,45 m.

Outro sucesso mundial com longa história de vida e crescimento constante é o Volkswagen Golf. O hatch nasceu em 1974 com 3,70 metros de comprimento, bem menos que os 4,28 metros da 8.ª geração, que estreou no fim do ano passado. A altura subiu de 1,39 m para 1,46 m, enquanto o espaço para pernas também melhorou, graças à distância entre os eixos, que foi de 2,40 m para 2,64 m.

Ele cresceu, mas será sempre Mini

Quando veio ao mundo, em 1959, o carrinho lançado na Inglaterra pela Morris era tão pequeno que foi chamado de Mini-Minor. O Mini era uma espécie de equivalente inglês do Fusca alemão. Um carro simples e barato, que chegava ao mercado em um momento em que a Europa ainda não estava completamente recuperada dos efeitos da Segunda Guerra Mundial. Assim, era uma opção à geração que havia saído empobrecida do conflito.

O modelo concebido pelo engenheiro e designer Alec Issigonis trazia novidades para a época, caso do motor transversal dianteiro. Essa disposição possibilita que o capô seja mais curto. Graças a isso, o Mini tinha apenas 3,05 m de comprimento.

Após mais de 5,3 milhões de unidades (incluindo o modelo clássico e suas derivações, caso da perua, da van e da picape), a produção foi interrompida em 2000. Mas seria por pouco tempo. A BMW, que era dona do Grupo Rover (então fabricante do modelo) desde 1994, lançou a reinterpretação do Mini no final do mesmo ano. Assim, o sucesso continuou, agora com muito mais espaço. O Mini atual tem 3,82 metros de comprimento e acomoda até cinco pessoas – o original tinha, teoricamente, quatro lugares. A diferença de proporções pode ser vista na foto acima, comemorativa de 60 anos. São 77 cm de diferença no comprimento.

Fiat 500 é um dos carros que cresceram

Outro veículo que manteve as linhas retrô do modelo original mas se expandiu ao passar pela recriação foi o Fiat 500. O modelo atual ainda é um compacto, com 3,55 m de comprimento, 2,3 m de entre-eixos e 1,49 m de altura. Mas é um carrão diante do original, lançado em 1957 na Itália. O primeiro 500, que foi produzido até 1975, tinha 2,97 m de comprimento, 1,84 m de entre-eixos e 1,35 m de altura. A Fiat não vende mais o subcompacto no Brasil, mas ele continua em linha na Europa.



Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


OFERTA EXCLUSIVA

Fiat TORO Freedom 2.0 AT9 4x4 Diesel