Você está lendo...
Dia da Mobilidade Elétrica acontece neste sábado (28) e tem até test drive
Notícias

Dia da Mobilidade Elétrica acontece neste sábado (28) e tem até test drive

Dia da Mobilidade Elétrica terá carreata por São Paulo e atividades na Praça Charles Miller; organização espera receber 300 veículos

Vagner Aquino, Especial para o Jornal do Carro

28 de mai, 2022 · 7 minutos de leitura.

Elétricos Volkswagen
Elétricos Volkswagen ID.3 e ID.4 estão em testes no Brasil e estreiam em 2022
Crédito:Volkswagen/Divulgação

Para promover o uso de carros elétricos e híbridos, com vendas recordes em todo o mundo, acontecerá neste sábado (28) o Dia da Mobilidade Elétrica 2022. A sexta edição da feira, realizada pela MES Eventos na capital paulista, aproveita o mês da campanha "Maio Amarelo", que, todos os anos, promove ações para melhorar a segurança no trânsito.

A programação terá início com uma carreata de veículos eletrificados. Ela sairá às 10h da Rua Treze de Maio e vai até o Estádio do Pacaembu. No local de destino, proprietários e apreciadores poderão, então, conferir a exposição dos mais variados tipos de veículos da categoria. As opções vão desde patinetes e motos até carros, caminhões e ônibus.

Tecnologias e serviços relacionados à eletromobilidade também estão previstos. O público encontrará atividades de lazer e test drives com carros e motos. No portfólio, há modelos como Audi e-Tron, JAC e-JS1, bem como os Volkswagen ID.3 e ID.4, dupla que chegará em breve ao País. E pode levar a família, porque haverá espaço kids e vários food trucks espalhados pela Praça Charles Miller. O local fica em frente ao estádio do Pacaembu, na zona Oeste.


"Com a alta do preço do petróleo e os constantes lançamentos (de carros), temos certeza de que o evento será um sucesso", acredita Ricardo Guggisberg. Ele é o presidente da empresa organizadora e do Instituto Brasileiro de Mobilidade Sustentável.

Para participar, quem não tem equipamento elétrico - carro, moto, caminhão, ônibus, bicicleta, monociclo, patinetes ou triciclos - paga entrada no valor de R$ 50. Assim, a meia-entrada custa R$ 25. A meta é reunir cerca de 300 veículos e 700 pessoas.

Novo Peugeot e-GT poderá ser carregado em postos da Ecovagas, proveniente da parceria entre a Enel X e a Estapar
Divulgação/Stellantis

Frente Parlamentar

Para representar os interesses do setor, foi formada a Frente Parlamentar Mista pela Eletromobilidade. O plano é defender políticas de energia renovável, bem como difusão dos veículos eletrificados. "Buscamos estudar as leis que englobam o desenvolvimento da eletromobilidade em outros países e alimentar o Governo com propostas. Afinal, o poder público precisa entender a necessidade em ajudar na implementação (de avanços)", enfatiza.

A iniciativa busca, portanto, melhorias de infraestrutura e incentivo ao uso de bikes elétricas. Bem como a criação de subsídios governamentais para o desenvolvimento e as vendas desses veículos.



Mercado em alta

Na última semana, o Jornal do Carro noticiou (com exclusividade) que o Itaú vai lançar um serviço de compartilhamento de carros elétricos no Brasil. O VEC Itaú chegará ao público no ano que vem. Ou seja, indica um mercado promissor.


TIÃO OLIVEIRA/ESTADAO

Os números mostram que o segmento vai de "vento em popa". Os emplacamentos de automóveis e comerciais leves eletrificados - híbridos e elétricos - somavam 0,9% do mercado no primeiro trimestre de 2021. Já neste ano, no mesmo período, a participação saltou para 2,6%. Segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), a alta foi de 115% no primeiro trimestre de 2022. Foram 9.844 unidades, ante 4.582 emplacamentos entre janeiro e março de 2021.

Franca expansão

Assim, de olho nesse crescente mercado, outros negócios estão surgindo. A expansão da mobilidade elétrica, assim como o interesse do consumidor atraiu novas montadoras, como a chinesa Great Wall Motors. A marca comprou a antiga fábrica da Mercedes-Benz, no interior paulista. A GWM ainda não vende carros, mas planeja lançar somente SUVs e picapes híbridos e elétricos.


Outra gigante chinesa engajada por aqui é a BYD. Além de já vender o SUV Tan EV e sedã executivo Han EV, a montadora vai comercializar o hatch elétrico D1 já em julho. Contudo, ele deverá ser destinado aos motoristas de aplicativos, como, por exemplo, 99 e Uber.

Mobilidade
BYD/Divulgação

Mais lojas e investimento no País

Mas não para por aí. Afinal, a BYD pretende abrir 45 lojas ao longo de 2022. O plano é chegar, então, a 100 unidades no fim de 2023. Sem contar a instalação de 30 pontos de recarga no País. Cabe recordar que a marca, fundada em 2003, já produz ônibus, baterias e placas solares, por exemplo. Desde 2016, a BYD já investiu mais de R$ 400 milhões no País.


A VC One é sua parceira expansão e construção da rede de concessionárias. De acordo com Henrique Antunes, diretor de vendas de carros e caminhões elétricos da BYD, a VC One é um parceiro estratégico. "É uma referência no mercado nacional e internacional na criação de conceitos e lojas de alto padrão. Isso foi fundamental", afirma o executivo.

O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Deixe sua opinião