Você está lendo...
Primeiro carro elétrico da BMW completa 50 anos, veja a história
Antigos

Primeiro carro elétrico da BMW completa 50 anos, veja a história

Criado no início da década de 1970, o BMW 1602 ganhou versão elétrica com motor de 43 cv e autonomia de 30 km; marca produziu duas unidades

Vagner Aquino, especial para o Jornal do Carro

15 de mai, 2022 · 4 minutos de leitura.

BMW
Modelo é exibido em exposições esporádicas no BMW Museum, em Munique
Crédito:BMW/Divulgação

A década de 1970 é lembrada até hoje por importantes acontecimentos. Quem não se recorda do Brasil tricampeão na Copa do México, do movimento hippie ou mesmo dos hits interpretados por Donna Summer, Bee Gees e pelo lendário Michael Jackson, que dominavam as paradas de sucesso da época? Mas o período não foi só de glórias. Numa época em que nosso País enfrentava a Ditadura Militar, o mundo estava prestes a sofrer com a crise do petróleo. Assim, uma ideia surgiu por parte da BMW: produzir um carro elétrico.

BMW
BMW/Divulgação

Há exatos 50 anos (em 1972), à beira do início dos Jogos Olímpicos de Munique (Alemanha), a BMW lançou o 1602 com motor movido a eletricidade. De acordo com a marca, tratava-se de uma homenagem à realização da competição.


BMW
BMW/Divulgação

Derivado do modelo a combustão - que nasceu em 1966 - o BMW 1602 Elektro-Antrieb (acionamento elétrico, em português) teve apenas duas unidades produzidas. Sua função consistia em servir como veículo de apoio aos maratonistas e à comitiva olímpica durante os jogos. Como vantagem tinha, justamente, a visão sustentável em meio aos jogos, afinal, trava-se de um modelo com zero emissão de poluentes.



Como era o elétrico há 50 anos?

O modelo com pintura laranja brilhante utilizava os recursos mais avançados da época. Debaixo do capô dianteiro, haviam 12 baterias de chumbo-ácido que pesavam 350 kg. Eram, portanto, as responsáveis por fornecer energia para acionar o motor elétrico de 32 kW de potência (o equivalente a 43 cv).


BMW/Divulgação

Em síntese, o 1602 Elektro tinha o até então inovador sistema de freios regenerativo. Assim, regenerava a energia produzida nas frenagens. Entretanto, ao contrário dos modelos de hoje em dia, que chegam a alcançar 500 km ou mais de autonomia, o sedã de duas portas da BMW percorria só 30 km com carga cheia. Esse, no entanto, foi um dos motivos de o veículo mais compacto da fabricante à época não ter sido aprovado para produção em larga escala.

BMW/Divulgação

O modelo segue no acervo da BMW, na Alemanha. Eventualmente fica exposto no BMW Museum, em Munique. O sedã elétrico, de 4,22 metros de comprimento e 2,50 m de entre-eixos, segue em plenas condições de funcionamento.

BMW/Divulgação

Responsáveis por desenvolver o modelo, os engenheiros que criaram o 1602 Elektro não faziam ideia da responsabilidade que carregavam. Afinal, aquele carro seria o pai dos veículos elétricos atuais e do futuro. É tanto que, hoje, a marca tem no portfólio o SUV iX (leia mais).


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se