Você está lendo...
Volkswagen Golf deixa de ser vendido no Brasil após 27 anos
Notícias

Volkswagen Golf deixa de ser vendido no Brasil após 27 anos

Produzido no Paraná por quase duas décadas, o Volkswagen Golf foi um sonho de consumo, mas perdeu espaço nos últimos anos para os SUVs

Diogo de Oliveira, Especial para o Estado

16 de dez, 2020 · 6 minutos de leitura.

Volkswagen Golf GTE
Crédito:Volkswagen/Divulgação

A Volkswagen não comercializa mais o Golf no Brasil. Após 27 anos à venda no país, o hatch médio não aparece mais no configurador do site brasileiro da marca alemã. E, a princípio, não tem prazo para voltar.

A última fornada veio importada: o híbrido Golf GTE. Com apenas 99 unidades disponíveis, a configuração chegou no fim de 2019 por salgados R$ 199.990. E com a nova geração a ser lançada para os europeus.


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

SUVs sepultaram o Golf no Brasil

A última década foi dura com o Golf e os rivais, como o Ford Focus. A guinada dos SUVs e a proximidade de preços atingiram em cheio os hatches médios. Dessa maneira, a categoria perdeu competidores. E o Golf é o penúltimo a apagar os faróis ? só resta o Chevrolet Cruze Sport6.

Na gama da marca, o hatch médio sai de cena e abre espaço para a chegada do SUV Taos. O novo utilitário da Volkswagen chega ao Brasil entre abril e maio de 2021 para desafiar o Jeep Compass, que foi o SUV mais vendido por três anos consecutivos (2016, 2017 e 2018) ? e continua no pódio.

A montadora está focada na sua ?ofensiva SUV?. Bem como está tocando o projeto da nova picape Tarok. Curiosamente, os dois modelos ? Taos e Tarok ? utilizarão a mesma plataforma MQB-A do Golf. A 7ª geração do hatch foi um dos primeiros veículos a nascer da base modular.


Volkswagen Golf de 4ª geração (VW/Divulgação)

Trajetória de sucesso

Importado pela primeira vez em 1994, o Volkswagen Golf imediatamente caiu no gosto dos brasileiros. O modelo de 3ª geração desembarcou do México a princípio na icônica versão esportiva GTI.

Em 1997, a montadora apresentou a 4ª geração do hatch na Europa. E o novo Golf IV não demorou a chegar aqui. Com a demanda crescente, a Volkswagen logo depois resolveu produzir o modelo no Brasil, a partir de 1998, na fábrica de São José dos Pinhais, no Paraná.


Os anos seguintes foram de sucesso. Contudo, em 2007, a montadora promoveu uma reestilização no Golf brasileiro. E a mudança não pegou bem. O modelo europeu tinha acabado de ganhar a 5ª geração. Por causa disso, o nacional acabou sendo chamado de ?Golf 4,5? pela imprensa.

Com preços competitivos e bom volume, o hatch médio ficou em linha sem trocar de geração até 2013. Todavia, àquela altura a Europa já tinha a 6ª geração. Foi quando a montadora, então, decidiu apostar novamente no modelo. E trouxe o Golf VII ao Brasil naquele mesmo ano.


A 7ª geração desembarcou no final de 2013, importada da Alemanha, colocando fim ao hiato. No ano seguinte, passou a vir do México. A nacionalização chegou em 2015, na fábrica paranaense de São José dos Pinhais. Entretanto, o Brasil estava em crise econômica.

Novo Volkswagen Golf GTE de 8ª geração (VW/Divulgação)

Carro de nicho

Com sucessivas quedas nas vendas, o VW Golf seguiu firme até meados de 2019, quando a marca decidiu, então, encerrar a produção local. Logo após o fim da linha nacional, o híbrido GTE foi importado. E da mesma forma a eletrificação pode ser o caminho de volta para o hatch médio no futuro.


Até nos mercados mais ricos o Golf vem perdendo espaço para os SUVs. Assim, a tendência é que o tradicional hatch se torne cada vez mais um carro de nicho. Se voltar ao Brasil, o que pode acontecer já em 2021, a 8ª geração do Golf virá de novo na versão híbrida plug-in GTE.