Diogo de Oliveira, Especial para o Estado

10/12/2020 - 8 minutos de leitura.

Volkswagen prepara nova picape e outros lançamentos para 2021

Em live com jornalistas brasileiros, CEO da Volkswagen na América do Sul confirmou que a marca fará alguns anúncios no ano que vem

Projeção do designer Kleber Silva mostra como deve ficar a Tarok, futura picape derivada no SUV Taos, que será rival da Fiat Toro Crédito: Kleber Silva
Carro

Vai comprar um 0km? Nós te ajudamos a escolher.

A Volkswagen promoveu uma live com a imprensa brasileira para apresentar o novo SUV Taos, que está confirmado para estrear em 2021. Porém, o bate-papo com o CEO da montadora na América Latina, Pablo Di Si, foi além. E revelou pistas do que a marca planeja para 2021.

Sem dizer muito, Pablo Di Si apontou os caminhos para o ano que vem. “Acredito que três segmentos continuarão muito relevantes no Brasil em 2021: o de SUVs, o de picapes e o segmento de compactos de entrada, que ainda concentra as vendas no país”, resumiu.

Inscreva-se no canal do Jornal do Carro no YouTube

Veja vídeos de testes de carros e motos, lançamentos, panoramas, análises, entrevistas e o que acontece no mundo automotivo em outros países!

Inscrever-se

Segundo o executivo, alguns projetos foram congelados por causa da pandemia. E a montadora já tirou uma parte deles da gaveta. “Estamos retomando aos poucos. E teremos alguns anúncios para fazer”, disse Pablo Di Si na transmissão ao vivo.

Picape Tarok vem aí

Um dos projetos suspensos pela Covid-19 é o da nova picape intermediária para brigar com a Fiat Toro. O projeto Tarok surgiu no último Salão do Automóvel de São Paulo de 2018. Foi feito originalmente a partir do SUV T-Cross, que usa o chassi mais comprido do sedã Virtus.

novidades
José Patrício/Estadão

Porém, a picape não só foi resgatada, como terá um “upgrade”. Em vez de nascer do menor T-Cross (base MQB-A0 de Polo e Virtus), a Tarok será baseada na plataforma maior MQB-A, do Taos. É o que sugeriu Pablo Di Si na revelação mundial do novo SUV.

Sem citar o nome da picape, o executivo antecipou que outros modelos serão produzidos sobre a plataforma MQB na fábrica de General Pacheco, na Argentina. E dentro dessa lógica o Taos e a Tarok vão compartilhar chassi, equipamentos e mecânica.

Kleber Silva

No último encontro, Di Si reconheceu que a categoria terá a atenção da marca alemã. “As picapes vão continuar a ser muito relevantes. Estão ganhando subsegmentos, tal como os SUVs. E temos o agronegócio e a mineração muito fortes no Brasil”, exaltou.

Porém, nada de pressa. A Tarok talvez surja em 2021, com início de vendas entre 2022 e 2023. A pandemia atrasou o lançamento.

Polo aventureiro e sucessor do Gol

Com 40 anos de Brasil, o Gol é o carro mais popular da Volkswagen depois do Fusca. Foi líder de vendas por muitos anos, porém a atual geração está cansada. Estreou em meados de 2008, e na última década perdeu força. Porém, em 2020 o Gol voltou à velha forma. É o 5º mais vendido.

gol
Volkswagen/Divulgação

Questionado sobre o fim da produção do modelo, Pablo Di Si foi enfático: “o Gol não sairá de linha em 2021”. Porém, isso não significa que a marca não está trabalhando em seu substituto.

Em setembro passado, o Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté e Região (Sindmetau) anunciou um acordo com a VW para produzir um novo veículo na fábrica da montadora na cidade. Trata-se do Polo Track, versão aventureira para concorrer com Fiat Argo Trekking e Renault Stepway.

polo track
@kdesignag

Porém, a fábrica de Taubaté não produzirá só o aventureiro. Está prevista a produção de uma nova versão de entrada do Polo, identificado como Polo LA K1. Especula-se que esse modelo poderá ser o Polo básico, cuja função seria substituir Up!, Fox e até o Gol.

Mini SUV de entrada

No bate-papo, Pablo Di Si foi questionado e comentou sobre a possibilidade de a montadora lançar um SUV menor do que o Nivus. Algo parecido com o conceito Taigun, que a Volkswagen exibiu no Salão de São Paulo de 2012. O pequeno SUV foi projetado sobre o chassi do Up! na época.

taigun
Werther Santana/Estadão

O executivo disse que isso é uma realidade em outros mercados que vai acontecer no Brasil. “O segmento SUV vai continuar crescendo. Os SUVs foram criando subsegmentos. Quem vai pagar a conta desse sucesso são os hatchbacks e sedãs”, disse o executivo, referindo-se ao recente avanço dos SUVs sobre os dois tipos de carroceria mais populares do mundo.

Elétricos e híbridos distantes

Pablo Di Si aproveitou o encontro com os jornalistas para falar também dos veículos eletrificados da marca. Porém, a previsão ainda é vaga. Como não há estímulo governamental no Brasil, nem infraestrutura estabelecida, o executivo ainda busca a melhor estratégia para a região.

elétrico
Volkswagen/Divulgação

“O ano de 2021 vai ser para discutir o futuro dos carros elétricos e híbridos no país”, afirmou Pablo Di Si. Para o executivo, a chegada desses modelos será fundamental para ajudar a reduzir as emissões e promover a descarbonização no Brasil.

O executivo lembrou que o grupo Volkswagen vai lançar 70 carros elétricos e 60 híbridos até 2030. E no Brasil a montadora planeja lançar 5 veículos eletrificados até 2025. Um deles pode ser o compacto elétrico ID. 3. Porém a sua importação vai depender de alguns avanços.

Crescimento modesto em 2021

Além da falta de fomento federal com elétricos e híbridos, Pablo Di Si acredita que o Brasil terá recuperação mais lenta da economia. A disparada do dólar dos EUA e o fechamento de fábricas por causa da pandemia ainda vão provocar alta nos custos e falta de insumos.

“Acho que o mercado será maior em 2021, porém com um crescimento tímido. Teremos uma questão de custo muito forte que vai afetar os preços”, conclui.



Notícias relacionadas


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais