Você está lendo...
Fiat Uno Turbo celebra 30 anos como um ícone de carro esportivo
Antigos

Fiat Uno Turbo celebra 30 anos como um ícone de carro esportivo

Lançado em 1994, Uno Turbo 1.4 foi o primeiro modelo nacional com turbo de fábrica, e tinha desempenho digno de rivais com motor 2.0 aspirado

Rodrigo Tavares, especial para o Jornal do Carro

03 de fev, 2024 · 5 minutos de leitura.

Publicidade

uno turbo 1.4
Fiat Uno Turbo 1.4 marcou época como primeiro carro turbo de série do Brasil
Crédito:Fiat/Divulgação

O ano de 1994 trouxe muitas inovações para o Brasil em termos de automóveis, em especial para os que gostam de um bom hatch esportivo. Embora já tivesse nomes como VW Gol GTI, Ford Escort XR3 e Chevrolet Corsa GSi, faltava um algo mais da Fiat, até então apenas com a linha Uno R como representante. Entrava em cena o primeiro carro turboalimentado de fábrica do País, o Uno Turbo 1.4 i.e.

Apresentado há 30 anos, o carrinho recebia um motor especial, vindo da Itália, de 1.4 litros e excelentes (para a época) 118 cv, 17,5 mkgf de torque, e injeção eletrônica multiponto. A força a mais vinha de um turbocompressor Garrett T2, com 0.8 bar de pressão. Considerando seus rivais de época, e seu baixo peso, o modelo tinha desempenho para lá de animador, por exemplo.



Uno Turbo tinha desempenho de carro grande

Fiat/Divulgação
Esportivo tinha acerto de suspenção mais firme, e despenho digno de assustar motores 2.0 (Fiat/Divulgação)

Publicidade


O mais esportivo dos Unos fazia de 0 a 100 km/h em 9,2 segundos, e tinha velocidade máxima de 195 km/h, segundo a Fiat. Em matéria de concorrência, modelos da VW, Chevrolet e Ford tinham algo em comum: eram aspirados, e tinham maior litragem. Entretanto, a diferença de potência entre eles e o Uno era pouca, o suficiente para tornar a briga parelha. Além disso, o pequeno Fiat também foi precursor em algo comum hoje em dia: downsizing.

Com a turbina entregando todo o torque aos 3.500 rpm, o pequeno motor 1.4 turbo fazia bonito, e tinha como aliados o baixo peso (975 kg), a suspensão 10 mm mais baixa e rígida, e o câmbio de cinco marchas. Visualmente, contava com aerofólio, para-choques dianteiro e traseiro com visual esportivo, rodas com freios a disco emprestados do Tempra e apenas três opções de cores: preto, vermelho e amarelo.

Montagem/Fiat/Divugação
Uno mais caro da linha tinha interior esportivo e painel completo (Montagem/Fiat/Divugação)

Por dentro, os destaques eram o volante esportivo, os tradicionais cintos de segurança vermelhos e o painel de instrumentos, que vinha completo, até com manômetro de pressão de turbo. Seus compradores podiam até realizar um curso de pilotagem em Interlagos, a fim de aprender a aproveitar o comportamento arisco do novo modelo.

Modelo abriu caminho para motores turbinados na Fiat

Fiat/Divulgação
Modelo tinha apenas três opções de cores, e estepe passava para o porta-malas (Fiat/Divulgação)

Entretanto, nem tudo são flores. Apesar dos muitos predicados, o Uno Turbo sofreu nas vendas, e em 1996 saiu de linha com menos de duas mil unidades vendidas. Críticas à estabilidade do modelo e seu alto preço, somados ao mercado brasileiro, desacostumado com a novidade de um motor pequeno e turbinado, deixaram o pequeno esportivo sem a devida atenção.


Fiat/Divulgação
Tempra Turbo chegou logo depois, e levou cultura da turbina adiante (Fiat/Divulgação)

Entretanto, outros modelos turbinados surgiram na Fiat depois disso, como os Tempra Turbo/Turbo Stile, o Marea Turbo e a linha Punto/Linea/Bravo T-Jet. Olhando em retrospecto, o Uno Turbo foi pioneiro ao utilizar uma tecnologia que hoje é extremamente comum nas ruas brasileiras: motores na faixa de 1 litro de deslocamento turbinados. A tecnologia atualmente é praxe em vários modelos da Stellantis, por exemplo.

O Jornal do Carro também está no Instagram!


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
HONDA CIVIC TYPE R: COMO É O "HOT HATCH" DE R$ 430 MIL

Deixe sua opinião