Você está lendo...
Preço das baterias de carros elétricos caiu 87% na última década
Notícias

Preço das baterias de carros elétricos caiu 87% na última década

Estudo aponta que mercado mundial terá 500 modelos elétricos até 2022; preço da bateria deve cair, mas governos vão precisar agir

Emily Nery, para o Jornal do Carro

29 de dez, 2020 · 5 minutos de leitura.

Preço da bateria que equipa carros elétricos é 87% mais barata do que em 2010
Preço da bateria que equipa carros elétricos é 87% mais barata do que em 2010
Crédito:Divulgação

Atualmente, um dos maiores desafios para tornar o carro elétrico mais acessível é baratear o preço das baterias de íons de lítio. Entretanto, uma pesquisa aponta que o valor do componente caiu 87% na última década. A previsão para os próximos anos é que o custo de produção da bateria seja muito menor. Assim, a procura por elétricos aumentará.

O estudo feito pela Bloomberg New Energy Finance apontou que de 2010 para 2019, o preço da bateria caiu para quase 1/10 do valor original e chegou ao custo médio de US$ 156 / kWh (cerca de R$ 808 / kWh). O custo mais baixo dos componentes, bem como a utilização de novos produtos químicos e novas técnicas de fabricação serão responsáveis por baratear o segmento de elétricos.

Além disso, o estudo prevê que em 2025 os veículos elétricos terão preços equivalentes ao de modelos a combustão; sem precisar de subsídios governamentais. Entretanto, a quantidade oferecida variará bastante conforme a região do globo.


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se

A previsão para os carros "verdes" é positiva. Estima-se que em 2030, a frota de elétricos chegará a 116 milhões. Este número, contudo, representará 8% de toda a frota global. Para 2040, o estudo mostra que a participação deve crescer para 31%.

Em 2040, a cada 100 carros que saírem das concessionárias, 58 serão elétricos. Hoje a cada 100, cerca de 3 modelos tem propulsão elétrica.




Emissão de CO2 continuará crescendo

Embora os esforços para investir em modelos menos poluentes aumente, a emissão de CO2 se intensificará até 2033. A pesquisa alerta que será necessário esforços governamentais para frear os impactos das mudanças climáticas.

Demanda por petróleo deve manter alta até 2031

Outro ponto importante diz sobre o aumento do consumo de energia. Surpreendentemente, o relatório afirma que em 2040 os veículos elétricos aumentarão em apenas 6% a demanda energética mundial. Na contramão, a procura por barris de petróleo crescerá até 2031, principalmente para abastecer veículos comerciais pesados.

Nissan-LEAF-tras
Nissan LEAF inaugurou um novo patamar no segmento de veículos elétricos no Brasil Divulgação/Nissan

Avanço de elétricos no Brasil é tímido

Como a Bloomberg aponta, a busca por carros elétricos será bastante desigual, dependendo da região. No Brasil, o ano de 2020 registrou recorde nas vendas do segmento. Porém, os modelos eletrificados representam somente 1% do mercado.

A Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE) acredita que cerca de 41.500 carros elétricos circulam nas ruas brasileiras. Deste número, cerca de 18 mil foram vendidos somente neste ano.

A entidade chama atenção para a falta de estímulo do governo. A ABVE defende uma série de medidas que visam reduzir a tarifa de importação dos eletrificados e, portanto, os preços. Além disso, ela pede que o governo fomente à procura e à confiança da consumidor sobre esse tipo de veículo.