Prevenção evita série de problemas no carro

Adiar a troca de peças com desgaste no veículo pode gerar custos e prejuízos maiores


Formação de borras no motor é causada por óleo velho. É indicado trocar o fluído a cada 5 mil km.

Procrastinar (adiar, postergar, segundo o dicionário Houaiss), é uma atitude relativamente comum para muitos motoristas. Mas descuidar da manutenção do carro pode gerar grandes despesas, pois quanto mais uma peça se desgasta, maiores são as chances de ela afetar outras.

Foi o que constatou o vendedor Lucas Barboza, que não deu ouvidos à recomendação do mecânico e adiou a troca dos rolamentos e da correia dentada de sua Fiat Palio Weekend 1999. Duas semanas após o diagnóstico, a correia arrebentou, causando o empenamento de todas as 16 válvulas do motor 1.6. “Se eu tivesse feito o reparo antes, teria gasto R$ 350. Em vez disso, tive de desembolsar R$ 2.800 pela retífica”, afirma.

Membro da comissão técnica da SAE Brasil, Henrique Pereira explica que quando a correia arrebenta, o motor perde a sincronização. “Por isso, as válvulas entram em contato com os pistões.”

O especialista diz que carros fora da garantia devem ser revisados a cada 10 mil km, em média. E o óleo do motor tem de ser trocado a cada 5 mil km.

++ Siga o Jornal do Carro no Facebook
++ Veja as melhores seguradoras do Brasil

FILTROS

Técnico da Auto Mecânica Ophicina (4226-1051), em São Caetano do Sul, no ABC, Emerson Júnior chama a atenção para os filtros de ar, óleo e combustível. Ele afirma que o motorista deve seguir sempre os prazos sugeridos pela montadora.

Se o filtro de combustível entupir, por exemplo, pode danificar a bomba. “As pessoas se esquecem de substituir a peça, que custa R$ 20 nos carros ‘populares’. Caso a bomba queime por causa de sujeiras, o prejuízo pode chegar a R$ 300.”

SUBSTITUIÇÃO DO ÓLEO É UMA DAS FALHAS COMUNS

Um dos serviços mais postergados pelos donos de carro é a troca do óleo do motor, segundo o dono da Auto Mecânica Scopino (3857-2685), na zona norte, Pedro Scopino. Ele diz que esse “esquecimento” pode fazer o motor fundir.

Diretor da SAE, Henrique Pereira diz que para ter o carro em dia, basta seguir as determinações expressas no manual do veículo. “No livreto constam os prazos para a troca do óleo e o tipo de fluido que deve ser utilizado”, diz.

Na Ophicina, em São Caetano do Sul, a substituição do óleo para modelos 1.0 sai por cerca de R$ 80 (com o filtro).

Caso o motor venha a fundir, será preciso fazer a retífica. Nesse caso, o gasto gira em torno de R$ 4 mil para os chamados veículos “populares”.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas