Fiat 40 anos: a história da marca no mundo

Fiat ‘nasceu’ em 1899, em Turim, comprou diversas marcas se tornou um  conglomerado multinacional


24 HP Corsa, de 1902, foi um dos carros importantes dos primeiros anos

Desde 1899, ano em que foi fundada, a maior fabricante de automóveis da Itália está sob o comando dos Agnelli, um clã de história centenária que inclui laços com a nobreza, triunfos e muitos escândalos e que, hoje, é o mais poderoso do país. O patriarca da família, Giovanni, fundou em Turim, na região italiana de Piemonte, a empresa que, atualmente, detém o controle de diversas outras montadoras, entre elas a norte-americana Chrysler.

Inicialmente batizada de Fábrica Italiana Automobilística de Turim, a montadora, criada por Giovanni e um grupo de empresários para fazer frente às fabricantes francesas na Itália, evoluiu para dar origem a um conglomerado agora chamado de FCA. Em 1899, a empresa surgiu com a produção do 4 HP, também conhecido como 3,5 CV. Outro carro importante desse primeiro período foi o 24 HP Corsa, de 1902.

Em 1906, a companhia passou a se chamar Fiat, abreviação de seu nome original. Quatro anos depois, ela assumiu o posto de maior montadora de carros da Itália.

Na década seguinte, após a Primeira Guerra Mundial, a Fiat chegou a ter 80% de participação no mercado de seu país. Naquele período, a empresa fabricou também tratores.
Durante a Segunda Guerra, a Fiat diversificou ainda mais suas atividades, produzindo maquinário e até aviões para o governo italiano. O principal negócio, no entanto, continuou sendo o automotivo.

Explosão. Giovanni Agnelli morreu em 1945 e, por mais de 20 anos, a empresa ficou sem um grande representante da família em seu dia a dia – seu filho, Edoardo, não se interessava pelos negócios. Isso até 1966, quando assumiu a presidência da Fiat o neto de Giovanni, que recebeu o nome do avô, mas era chamado pelo diminutivo Gianni.

Foi na gestão de Gianni Agnelli que a Fiat se transformou em um grande conglomerado automotivo, adquirindo diversas outras empresas. Em 1969, passou a fazer parte do grupo a Lancia. A Alfa Romeo veio em 1986, após anos de negociação.

A Fiat já tinha participação na Ferrari desde os anos 40; o porcentual aumentou para 90% em 1988 e, em 1999, o controle total passou ao conglomerado.

Elkann (à esq.), da família fundadora, comanda a FCA junto com Marchionne (Foto: Rebecca Cook/Reuters)

Chrysler. Com a morte de Gianni, em 2003, seu neto, John Elkann, passou a ser preparado para desempenhar funções de comando na companhia. Atualmente, ele preside o conselho da recém-formada FCA.

O principal executivo, no entanto, é Sergio Marchionne. Foi ele que, no fim da década passada, negociou com o governo americano para, aos poucos, adquirir o comando da Chrysler, que entrou com pedido de concordata após a crise nos EUA, cujo ápice foi em 2008.

Em 2014, a Fiat assumiu o controle da Chrysler, formando a FCA. O desligamento da Ferrari do grupo – agora, a marca é comandada pelos acionistas da Fiat – foi uma das medidas para viabilizar o negócio. Marchionne é agora o presidente executivo da FCA.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Notícias relacionadas