Blog do HP Hairton Ponciano

Como o calor europeu afetou os carros

A onda de calor que atingiu a Europa na semana passada prejudicou não somente as pessoas, mas também os carros

Poluição França
Uma das consequências do calor e da seca na França foi a redução em 20 km/h na velocidade máxima, para conter a poluição Crédito: Guilherme Ponciano/Estadão

Provavelmente vocês devem ter acompanhado notícias sobre o calor beirando os 40°C durante a semana passada em várias cidades europeias. O assunto sempre rende boas fotos, com crianças e até adultos se refrescando em fontes públicas. Mas, na prática, as altas temperaturas provocam sérios transtornos a quem não está acostumado com isso. O que seria algo comum no Brasil torna-se um caos no velho continente.

INSCREVA-SE NO CANAL DO JORNAL DO CARRO NO YOUTUBE

+ Leia outros artigos do Blog do HP

Na França, a palavra mais ouvida nos noticiários era “canicule”, termo que designa “onda de calor”. Pois ela causou influência até sobre a circulação de carros. Isso porque, juntamente com a elevação da temperatura, a Europa está sendo assolada por uma grave seca.

Rios outrora caudalosos, como o Loire (o mais longo da França, e repleto de castelos em suas margens), perderam muita água (foto abaixo).

Basta andar pelo interior do país para ver trechos com leito quase seco em alguns pontos.

Calor, seca e poluição

Com a seca, a dispersão de poluentes piora. Por isso, na terça-feira da semana passada, dia 23/7, Paris proibiu a circulação de veículos mais poluentes (leiam-se antigos) na região central. Na França, de acordo com o nível de gases que emitem, os automóveis devem exibir obrigatoriamente um selo no para-brisa, que vai de 0 (para os menos poluentes) a 6 (os que mais emitem). Naquele dia, só puderam entrar na parte central da capital veículos com selos 0, 1 e 2.

Redução de velocidade em estradas

Outra providência adotada em situações consideradas críticas é a redução da velocidade nas estradas. Por causa da poluição, painéis eletrônicos ao longo das vias passaram a exibir mensagens para a redução da velocidade em 20 km/h. Assim, em auto-estradas, nas quais a máxima costuma ser de 130 km/h, a limitação baixou para 110 km/h. Pelo que foi possível observar (eu estava rumando para Paris exatamente nesse dia), a maioria dos motoristas acata a orientação.

Trem fora dos trilhos

Além dos automóveis, os trens também foram afetados pelo calor. Com o aquecimento fora do comum dos trilhos, várias partidas foram canceladas ou sofreram atrasos. O motivo é que a alta temperatura causou dilatação além do esperado nos trilhos. Como consequência, os trens tiveram de circular com velocidade reduzida, para evitar aquecimento ainda maior do material. Em casos extremos, havia o risco de descarrilamento.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Mais artigos
Alfa Romeo Stelvio
Ford Ranger e Chevrolet S10
Cadillac CTS
BMW X7
abastecimento de combustível
Honda Civic