Toyota Corolla
Léo Souza/Estadão

Toyota Corolla 2024 evolui com novos recursos, mas agrada? Veja o vídeo

Versão híbrida flex do Corolla 2024 tem apelo da economia, mas consumo depende do uso; sedã ganhou vários novos recursos para continuar líder

Por Vagner Aquino 10 de mai, 2024 · 11m de leitura.

O Corolla já conquistou várias gerações. E continua conquistando, afinal, é um dos carros mais vendidos do mundo. E, seguindo a máxima de apostar na tradição, a Toyota decidiu não mudar muita coisa na linha 2024 do sedã. Pelo menos, quando se trata de visual. Mas, por dentro, e até em termos de eficiência, o sedã trouxe mudanças pontuais. E importantes.

Corolla 2024: sedã híbrido flex evolui com novos equipamentos

Olhando de frente, o Corolla – que sai por R$ 198.890 na versão topo de linha Altis Hybrid Premium, avaliada pelo Jornal do Carro – está praticamente igual. De diferente, só a grade, que ganhou acabamento colmeia e pintura em black piano. Vale falar dos faróis que, embora não sejam novidade, têm iluminação de LEDs e, nas versões híbridas, detalhes em tom azul. A mesma cor aparece nos contornos do logotipo.

ESTADÃO SUMMIT MOBILIDADE 2024
Inscreva-se já e garanta aqui o seu ingresso promocional

Indo para o lado do carro, novas rodas de 17″, com acabamento diamantado e sistema antifurto, que são cobertas por novos pneus. Agora, o conjunto tem tamanho 215/50. Ou seja, é mais estreito. De acordo com a marca, a meta é gerar mais eficiência (12%, no total), afinal, isso diminui a resistência a rolagem. De resto, continua tudo igual. Inclusive na parte traseira.

Toyota Corolla
Traseira não muda na linha 2024 (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

Algumas medidas

Por falar em traseira, o Corolla mede 4,63 metros de comprimento. Ponto para a Toyota, que tem, na lista de série, sensores nos para-choques e câmera de ré. Embora a resolução não seja impecável, é uma mão na roda na hora de estacionar.

Outro ponto que merece elogios no Corolla é a generosidade do porta-malas. São 470 litros de bagagem. Cabe lembrar que o SUV Corolla Cross tem 30 litros a menos. Ou seja, para quem tem dúvidas na hora de escolher e se importa com esse quesito, melhor optar pelo sedã. E não é só sobre espaço. O compartimento é todo forrado e esconde o estepe embaixo do carpete. A única ressalva é o pescoço de ganso, que compromete a acomodação das bagagens.


Acabamento do Toyota Corolla continua impecável (Léo Souza/Estadão)

Por dentro do sedã

Ao abrir as portas, os ocupantes são recepcionados por soleiras iluminadas (em azul e branco). Nelas, a inscrição “Corolla”. Mas um dos pontos que mais agradam no modelo é o quadro de instrumentos, totalmente digital, com tela de 12,3″. Ele é personalizável, e dá para mudar o layout dos mostradores. A tonalidade também muda, dependendo do modo de pilotagem escolhido. São três: Eco, Power e Normal.

Toyota Corolla
Quadro de instrumentos ganha tela de 12,3″ (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

A nova central multimídia tem tela de 9″. E tem espelhamento sem fio com Android Auto e Apple CarPlay. Apesar de não ser das mais modernas, é super intuitiva e, o melhor, tem botões físicos na lateral esquerda, o que facilita a vida do motorista. Nela, acesso fácil a todas as informações do carro, seja entretenimento ou o próprio funcionamento mecânico, como a atuação dos motores, por exemplo.


Ademais, o Corolla tem ar-condicionado automático e digital de duas zonas (agora, acrescentou saídas traseiras), carregador de celular por indução e até uma tomada USB convencional, escondida próximo ao console central. Finalmente, uma montadora que pensa em quem não é tão moderno. Afinal, nem todo mundo (inclua aí os demais ocupantes do carro, ou mesmo caronas) usa apenas cabos USB do tipo C – no Corolla, aliás, agora tem quatro.

Toyota Corolla
Agora, tem saídas de ar e tomadas USB C na parte de trás (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

Se por um lado algumas modernidades não devem ser empurradas goela abaixo do consumidor, outras são necessárias, até por praticidade e conforto. Neste ponto, o Corolla peca. Afinal, ainda usa freio de estacionamento por alavanca. Já tem carros mais baratos usando o comando por botão. Inclusive, dentro de casa – o Corolla Cross, finalmente, abandonou o sistema via pedal em sua reestilização, lançada no mês passado.

Rodar

Ao contrário do que se esperava, o Corolla 2024 não traz nada de novo em termos de mecânica. Tem a mesma motorização híbrida, convencional, que une o motor 1.8 aspirado com 16V e 101 cv de potência máxima, e outros dois elétricos, de 72 cv. Total de 122 cv de potência combinada. Mas a falta de ajuste é totalmente aceitável, porque o conjunto continua ótimo.


Toyota Corolla
Motorização híbrida tem 122 cv de potência máxima (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

E, quando a bateria estiver cheia, dá para rodar apenas em modo elétrico. Para isso, é preciso pressionar a tecla de EV Mode, que fica no console, atrás da alavanca de câmbio.

Consumo

Pisando, ele vai bem. O consumo não é excelente, mas agrada. Pelo Inmetro, faz, com etanol no tanque, 12,8 km/l (cidade) e 11,1 km/l (estrada). Já com gasolina, os números pulam para 18,5 km/l (cidade) e 15,7 km/l (estrada). Entretanto, não conseguimos números tão animadores durante os dias de avaliação. A média foi de 11,4 km/l. Ainda assim, houve picos de quase 14 km/l – mas também chegamos a fazer 9 km/l, o que não é bom. Afinal, o pensamento é: ter carro híbrido é sinônimo de pouco gasto. Porém, o “pouco gasto” vale para quem tem uso estritamente urbano. Nessas horas, quem entra em cena na maior parte do tempo é o motor elétrico. Por isso o modelo faz tanto sucesso entre taxistas, diga-se.

Toyota Corolla
Freio de estacionamento mantém comando por alavanca (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

Já quando se trafega por estradas, ou em trechos em que o carro precisa de força, é a combustão que trabalha. Desse modo, além de mais barulho na cabine, há um certo descompasso do câmbio CVT. E o consumo, consequentemente, aumenta. Neste caso, deixa de valer a pena investir mais dinheiro em um Corolla híbrido.

Conforto e segurança

No dia a dia, o Corolla conquista quem dirige, com boas acelerações e retomadas de velocidade. O isolamento acústico também é bom. E o trabalho da suspensão independente (McPherson, na frente, e Multilink, atrás) é impecável. Na prática, absorve bem as imperfeições do solo, e nada de incômodo para quem está a bordo.

O sedã é bom de curvas. Até porque trata-se de um carro mais baixo, mais grudado no chão. Por outro lado, a pequena altura em relação ao solo (14,8 centímetros) não faz o Corolla raspar o nariz em qualquer lombada ou valeta.

Toyota Corolla
Grade dianteira é única novidade visual do Corolla (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

O Corolla Hybrid tem acabamento impecável. Conta com teto solar, revestimento de couro em tom claro – que dá um ar de elegância -, além de ótima posição de dirigir. Neste momento, dá para contar com ajustes elétricos para o banco e regulagem do volante em altura e profundidade.

Toyota Corolla
Teto solar vem de série na versão topo de linha (Vagner Aquino/Especial para o Estadão)

E, na parte de segurança, o sedã da marca japonesa tem vários sistemas ADAS, por exemplo, alerta de colisão frontal que detecta pedestres e ciclistas e piloto automático adaptativo, por exemplo. No total, contam com sete airbags.

Siga o Jornal do Carro no Instagram!


O Jornal do Carro está no Youtube

Inscreva-se
Iveco Daily Hi-Matic tem câmbio automático do Lamborghini Urus
Newsletter Jornal do Carro

Complete seu cadastro para receber as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.

Campo obrigatório
Campo obrigatório
Cep inválido
CPF/CNPJ inválido
Telefone inválido
Tudo certo!

Seu cadastro foi enviado. Em breve você receberá as últimas notícias do Jornal do Carro diretamente no seu e-mail.