Blog do HP Hairton Ponciano

Brasil e Estados Unidos na mesma situação, quem diria?

Enquanto a Europa tem novo Ford Fiesta e o Fiat 500 reestilizado, Brasil e EUA ficaram com os modelos antigos. E os ianques ainda ficarão com o Tiguan de geração anterior

Volkswagen Tiguan
Volkswagen vai manter geração antiga do Tiguan (foto) nos EUA, juntamente com o modelo novo, de sete lugares. Fotos: Volkswagen

Nós, brasileiros, nos acostumamos a ver carros modernos no Japão, Europa e Estados Unidos, enquanto por aqui rodavam modelos ultrapassados.

Quase sempre ficamos resignadamente com as “carroças”, enquanto o Primeiro Mundo desfilava seus automóveis muito mais evoluídos.

A desculpa sempre foi o “tamanho do mercado”, e ela continuou a ser usada em algumas ocasiões mesmo quando o mercado ultrapassou a marca de 3 milhões de unidades por ano. Era a nossa sina.

Pois ultimamente algo mudou. Não, nossos carros não melhoraram tanto assim. Mas, ao menos no caso de alguns modelos, estamos de mãos dadas com os EUA. E em um caso específico as coisas se inverteram.

Tomemos como exemplo o Volkswagen Tiguan. A montadora decidiu manter no mercado norte-americano o modelo antigo do SUV, enquanto definiu que para o Brasil será enviado o novo Tiguan, na versão de sete lugares.

O Tiguan de sete lugares, batizado de Allspace, também está disponível nos EUA. O modelo é produzido no México, e abastece tanto os EUA como – futuramente – o Brasil.

Já o antigo, que deve permanecer no mercado norte-americano como modelo de entrada, é produzido na Alemanha.

Afora o Tiguan, empatamos com os ianques em dois outros casos – e em ambos ficamos em desvantagem para a Europa.

Ford Fiesta. Um diz respeito ao Ford Fiesta. Enquanto na Europa o modelo mudou de geração, a Ford decidiu que no Brasil e nos EUA o carro antigo será mantido. Para o Brasil, a Ford deve lançar em breve uma versão reestilizada do veículo. A montadora espera com isso poder fazer frente ao Volkswagen Polo, a ser lançado em novembro.

Será uma medida semelhante à adotada com relação ao EcoSport: para enfrentar novatos como Jeep Renegade, Hyundai Creta e Honda HR-V, na visão da empresa basta uma reestilização bem feita. Vamos ver como o mercado vai reagir a ela.

Nos Estados Unidos, o Fiesta segue sem alterações, ao menos por enquanto. É que lá, ao contrário daqui, o segmento para carros dessa categoria é pouco representativo, e está em declínio.

Fiat 500. O terceiro caso em que os americanos podem sentir na pele um pouco do que é ser brasileiro refere-se ao Fiat 500. O modelo produzido no México (e que abastece tanto o Brasil como os EUA) não acompanhou a reestilização do similar à venda na Europa, montado na Polônia.

O fato é que as alterações foram sutis, e praticamente restritas à dianteira. Mas ficamos sem ela, tanto aqui como na América do Norte. O curioso é que o pequeno 500 é visto com facilidade nos EUA, e numa profusão de cores com a qual nem podemos sonhar.

Parte dessa boa receptividade pode ser creditada ao estilo do modelo. Outra parte deve-se ao preço (lá, custa a partir de US$ 14.995, cerca de R$ 47 mil).

Se as montadoras decidiram esnobar os Estados Unidos, o que será de nós?


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Ofertas Carros 0km

Ofertas com condições especiais


Mais artigos
Tesla Modelo S
Ford Ka
Volkswagen Polo
Audi RS5
Audi A8
Bugatti Chiron