Fiesta, C3 e 208 fazem comparativo de opções a Polo e Argo

Citroën C3, Ford Fiesta e Peugeot 208 se enfrentam em briga de compactos premium na faixa dos R$ 65 mil

compactos
Peugeot 208, Ford Fiesta e Citroën C3. CRÉDITO: WERTHER SANTANA/ESTADÃO

No segmento de hatches compactos, as atenções vêm sendo monopolizadas por Polo e Argo. Mas há rivais que não são novidades, como o VW e o Fiat, mas ótimas opções na faixa dos R$ 65 mil. É o caso de Citroën C3, Peugeot 208 e Ford Fiesta, que acabam de receber atualizações e se enfrentam neste comparativo.

C3 e 208 ganharam câmbio automático de seis marchas no lugar do antigo, de quatro velocidades. O Fiesta traz dianteira redesenhada e novo multimídia. Ele se destacou em consumo, desempenho, espaço interno, estabilidade, suspensão e preço do seguro. Por isso, garantiu a vitória diante dos rivais.

Apesar de compartilharem o conjunto mecânico, C3 e 208 têm dirigibilidade diferente. A posição de dirigir mais alta e o para-brisa arredondado e projetado para a frente dão ao motorista do Citroën a sensação de estar em um monovolume. O Peugeot é mais baixo e tem ajuste de suspensão menos macio.

O motor 1.6 de até 118 cv deixa ambos ágeis na cidade. Isso porque 80% do torque fica disponível a partir das 1.500 rpm, o que garante respostas espertas. A nova transmissão privilegia as marchas mais altas, favorecendo a economia de combustível. Em aclives, às vezes o câmbio titubeia e retarda as trocas sem necessidade.

Na estrada os dois vão bem. A sexta marcha ajuda a manter baixo o nível de ruído do motor. Em ultrapassagens e na hora de retomar velocidade, porém, um pouco mais de vigor seria bom. Em ambos, o controle de velocidade de cruzeiro fica em uma haste na coluna de direção, sob o volante. Isso dificulta seu uso com o carro em movimento.

O Fiesta conquista pelas respostas bem diretas. O 1.6 de até 128 cv responde de pronto ao mínimo toque no acelerador, o câmbio faz trocas rápidas, a direção é comunicativa e a suspensão tem acerto na medida para fazer bonito em curvas.

Para quem gosta de sentir o carro “à mão”, o Ford é a melhor opção. O quatro-cilindros do Ford tem funcionamento mais áspero que o dos rivais, sobretudo em rodovias. Mas isso não incomodará os que curtem uma tocada esportiva.

Por dentro, 208 se destaca, mas Fiesta é maior

Se a meta de oferecer um bom compacto premium passa pelo cuidado com a cabine, quem assimila isso melhor é o 208, dono do acabamento mais caprichado deste comparativo. O desenho do painel é arrojado e os instrumentos em posição elevada são fáceis de ler. Bancos anatômicos e volante pequeno, com uma ótima pegada, deixam sua condução muito prazerosa.

Embora não seja tão vistoso, o interior do C3 tem algumas qualidades do “irmão”, como o conforto a bordo e os materiais agradáveis ao toque. Porém, o painel do Citroën fica devendo marcador de temperatura do motor e a visualização do conta-giros é pior que nos dois concorrentes. Além disso, os ajustes do controlador de velocidade de cruzeiro e da central multimídia são pouco intuitivos.

O Fiesta destoa dos rivais pelo acabamento despojado. As linhas do painel ainda são atuais e agradam, mas há excesso de plástico rígido por toda parte. Os bancos são revestidos de tecido simples, a espuma é pouco densa e falta empunhadura ao volante, que tem o aro “magro”.

Por outro lado, o Ford é o que oferece o melhor espaço interno. Não que o hatch seja amplo como um Renault Sandero, mas 208 e C3 são menos generosos, especialmente com quem viaja atrás. No Peugeot, passageiros com mais de 1,8 metro terão de dobrar o pescoço ao se sentarem no banco traseiro.

Em termos de conteúdo, o Citroën entrega comodidades de versão de topo por preço equivalente ao das versões intermediárias dos dois rivais. Só o C3 tem rodas de liga leve de 16” e ativação automática dos faróis e dos limpadores de para-brisa, por exemplo. Para ter esses itens no Fiesta e no 208, é preciso desembolsar mais de R$ 70 mil em opções com catálogo superior.

O Fiesta, por sua vez, é o único a oferecer controles de estabilidade e tração. A nova central multimídia é a melhor do trio. Tem interface fácil de usar, tela bem responsiva e duas portas USB no console central.

Na hora da revisão, a boa relação custo-benefício do C3 faz bonito de novo. Nos três primeiros anos, o preço da manutenção é cerca de 30% menor que o cobrado para seus dois rivais.

Opinião: Distantes do topo de vendas, hatches têm suas virtudes

Com vendas discretas, o C3, que ficou na 10ª posição no segmento em janeiro e fevereiro, se destaca pelo bom custo-benefício. Por R$ 55.990 na versão Attraction, é um dos carros mais baratos do País com câmbio automático – há ainda ar-condicionado digital e faróis de neblina.

Mesmo nas opções mais caras, o Citroën é cerca de R$ 5 mil mais barato que os rivais. Estiloso e bem acabado, o 208 pode fazer bonito. Tudo depende dos resultados do trabalho que a Peugeot vem fazendo para renovar sua imagem de marca. Aliás, essa é uma preocupação também da Ford. O ponto negativo do Fiesta se chama Powershift.

Sem ter como aposentar o problemático câmbio automatizado, a fabricante reforçou sua embreagem, trocou retentores, reprogramou o módulo. Outra mudança foi limar o nome “tóxico”. A coluna Defenda-se, publicada às quartas-feiras no JC e habituada às queixas de donos de Fiesta, servirá como termômetro para avaliar se as mudanças surtiram efeito.


Ofertas 0KM

Mais ofertas

Mais ofertas exclusivas

Veja todas as condições especiais


Notícias relacionadas